sábado, abril 01, 2006

Apaixonado!




Pouca gente sabe, mas estou apaixonado. Por um homem. Já conhecia o trabalho de Geraldo Vandré de pequeno, quando ouvia os fascículos da "História da MPB", um trabalho fantástico e imenso organizado pelo maestro Júlio Medaglia (ô sujeito lascado de bom, entende muito do riscado). Naquele EP ouvi a versão instrumental de "Fica Mal com Deus" do Quarteto Novo, ouvi "Aroeira", "Canção Nordestina", "Pequeno Concerto Que Virou Canção"... e fiquei com isso todos esses anos.
Quando estava no Kangoma, banda da qual saí em 2005, tinha feito um arranjo para "Aroeira" depois de ouvi-la um dia no rádio ao acordar. A música fazia parte do repertório da banda e por pouco não foi gravada em seu primeiro CD - inclusive tínhamos autorização do próprio Vandré.
Agora, baixei um monte de coisa dele na internet e apaixonei pelo trabalho do cara. Vandré tem um trabalho autêntico, em que nada, absolutamente nada, é gratuito. Tudo tem uma mensagem, todas as letras cutucam você de alguma maneira. E o melhor: o grande intérprete de seu trabalho é ele mesmo, com sua voz crua, forte, doce, inclusive improvisando vocalises muito legais em muitas das canções. Várias têm um arranjo bastante refinado, inclusive vocais, pois Vandré era acompanhado por um grupo, o Trio Marayá, que cantava muito bem. Outras têm arranjo minimalista, agreste, seco. Em "Ladainha", por exemplo, ele canta sobre o tom contínuo produzido por uma reza que não pára durante a música toda. Só ouvindo.
O compositor sumiu depois da década de 70, segundo uma reportagem que vi, por não querer se vender à bandalheira que virou a indústria musical brasileira. A história de lavagem cerebral é balela: ele nunca caiu nas mãos da ditadura. Há muito tempo vive e trabalha como advogado em São Paulo.
Fiquei muito inspirado por todo o conjunto de coisas que ouvi. Pensei até em ir atrás do homem, que é duríssimo de conversar, ver se ele não tem algo novo pra ser lançado. E cogito: será que um dia a gente podia fazer um "Mahalab Toca Vandré"? Qualidade ele tem. Fica lançada a pergunta e o desafio para um eventual segundo ou terceiro CD.
Abraços!

Um comentário:

Amita disse...

Quanta novidade por aqui! Mahalab Toca Vandré seria qualidade em dobro! bj q cura _II_